Era pra ser só uma inseminação natural

O que vou relatar hoje aconteceu ano passado. Eu e minha esposa Carol estamos juntos a muito tempo e estávamos tentando ter um filho a bastante tempo. Seguimos todas as dicas do ginecologista dela mas nunca conseguíamos.

Eu já estava desanimado e achava que eu era estéril. Cheguei até falar em inseminação artificial, mas minha mulher dizia que era bobagem minha. De tanto eu comentar sobre inseminação, um dia desses começamos a conversar sobre esse assunto. Não sabíamos nada sobre esse assunto. Daí falei que precisávamos de um doador de sêmen e de preferência de alguém com características físicas parecidas com as minhas, para que a criança fosse mais parecida comigo. Aí pensei em meu primo Juca, ele era filho do irmão do meu pai e assim como eu, se parece bastante com seu pai. Minha esposa, mesmo sem gostar muito dessa minha insistência com a inseminação, concordava. Mas ela pediu pra não contarmos nada até achar um jeito legal de falar pra ele.



Bom, enquanto isso, vida que segue. Sempre íamos a festas com nossos amigos para nos divertir. Um dia desses bebemos demais e no caminho de volta pra casa, Juca estava conosco no carro também. Eu já estava com bastante álcool no sangue e com os sentimentos aflorados, acabei contando nosso segredinho pra ele. Muito bêbados, choramos todos. Rsrsrs
Ele disse que seria um prazer em colaborar conosco e na semana seguinte combinamos de ir a um especialista para ver como funcionava a inseminação artificial.

Chegou o dia, fomos ao especialista eu, minha esposa e Juca. Estava tudo certo até nos falarem o preço. Eu disse: "O quê!! Muito caro." Voltamos para casa os 3 e começamos a matutar. Cada em seu celular pesquisando outras clínicas e ligando para ver o preço mas sempre muito caras. Então Juca pegou seu celular e começou a pesquisar outros métodos de inseminação e achou um dispositivo simples, porém ultra barato. Era uma espécie de um tubo transparente duro revestido de silicone aberto nas duas pontas, sendo que na ponta de cima tinha uma espécie de borda pra fora. Até aí tudo bem, mas depois que lemos como funcionava fiquei com um pé atrás.






Era assim, esse tubo teria vários calibres e comprimentos, teríamos que achar um calibre que coubesse o pau de Juca e o comprimento cortávamos em casa no tamanho do pau dele. Esse tubo era inserido na buceta de minha esposa até a borda do tudo parar nos grandes lábios da buceta, com a idéia de que o pau de Juca não tivesse contato algum com a buceta dela. Ele iria se masturbar e quando fosse gozar, colocaria o pau todo no tubo e gozaria dentro de minha esposa sem que tivessem praticado o ato sexual.

Na hora não gostei da idéia, pois achava que ia expor minha esposa pra outro homem e isso não era legal. Mas o preço era muito atrativo, menos de 50 reais. Queríamos muito ter esse filho. Minha esposa disse: "Você é quem sabe, amor". Então olhei pra Juca e contra minha vontade fiz um sinal discreto de aprovação.

Pedi as medidas do pau de Juca e caí para trás quando ele me falou o tamanho. Olhei para minha esposa e ela estava com o olho todo arregalado. Era muito grande e grosso mesmo. 24 cm de comprimento e 5 cm de largura. Visto que a buceta de Carol era apertadinha e meu pau não era muito avantajado. Mas mesmo assim compramos esse tubo pela internet e marcamos um dia fértil para fazer a inseminação. Chegou o dia, pedi para minha esposa se encher de roupa, peguei uma calça velha dela e cortei um círculo bem na buceta no formato exato do tubo, introduzi o tubo na buceta dela. Só estava seu rosto, suas mãos e a borda do tubo a mostra. Quando Juca a viu começou a rir e falou: "Nossa! Vocês exageraram no figurino. Chega a ser brochante, mas bora fazer isso logo". Minha esposa se deitou na cama com as pernas abertas, então cobri seu rosto para ela não ver o pauzão de Juca. Ele abaixou as calcas na altura do joelho e começou a se masturbar.






Ele estava com dificuldades e dizia: "Nossa! É muito difícil se masturbar com vocês aqui e com ela vestida assim, é muito brochante". Mas ele se esforçou e quando ele finalmente ia gozar, subiu na cama, se posicionou em cima da minha esposa, inseriu seu mastro inteiro nela com vontade, e num gemido de prazer, despejou jatos e jatos de sêmen quente na buceta dela. Vendo aquela cena me senti totalmente avulso ali, mas confesso que tive um certo prazer. Ele então retirou o pau da buceta dela, estava todo vermelho e lambuzado de porra. Ele então se limpou e se vestiu. Minha esposa tirou a toalha do rosto, olhou pra gente e disse: "É só isso? Que sem graça." e deu uma risadinha. Eu disse: "Sim senhora, se contenta com isso". Minha esposa ainda deitada de perna aberta, peguei a lanterna do celular e coloquei através do tubo para ver o sêmen lá dentro. Juca estava atrás de mim e juntos vimos que estava tudo aparentemente certinho. Retirei o tubo devagar, quando o tubo saiu por inteiro de dentro de minha esposa, sua buceta que é apertadinha, automaticamente se fechou e deixou a mostra um pedaço de seus grandes lábios totalmente depilados através do buraco da calça. Cobri a buceta dela e olhei imediatamente para Juca, ele disfarçou e virou pro lado. Mas foi só isso. Nos arrumamos, agradecemos o Juca e ele foi embora.

Passado algum tempo minha esposa menstruou, ficamos decepcionados. Falei pro Juca e ele disse pra não desanimarmos, pois podíamos tentar de novo.

Repetimos esse procedimento mais uma vez. Mesmo ritual, esposa totalmente tapada, ele abaixou as calças, começou a se masturbar e nada de gozar. Minha esposa falou: "Que demora, gente. Goza logo, Juca". Depois de um tempinho se masturbando e nada de gozar eu retirei o tubo da buceta dela, peguei uma tesoura e abri mais o buraco da calça, deixando toda a buceta e sua depilação de bigodinho vertical totalmente a mostra. Coloquei o tubo novamente na buceta de minha esposa tirei a toalha do rosto de Carol e disse: "Capricha agora, Juca". Ele disse: "Agora sim eu vou gozar". Minha esposa boquiaberta com o tamanho do mastro de Juca vendo ele se masturbar. E ele se masturbando olhando a buceta dela. Juca começou a ficar ofegante e já subiu em cima de minha esposa, mirou o pau na entrada do tubo e colocou sem dó. Ele tinha se perdido no tempo da gozada e falou: "Caramba, não deu ainda. Preciso de mais algumas ordenhadas". E sem pensar muito, ele começou a movimentar-se em cima da minha esposa com o pau la dentro do tubo, como se estivesse transando com ela. Aquilo me deu um tesão danado e fiquei sem reação. Percebi que minha esposa tinha gostado disso, ela olhou pra mim sem jeito e como forma de se redimir, empurrou ele para trás. Ele saiu de cima dela e pediu desculpas, disse que fez sem pensar. Eu disse: "Relacha primo, mas vamos tentar de novo, precisamos disso".







Ele então se masturbou e disse que pela situação ocorrida estava sem vontade de gozar. Minha esposa sem paciência e para tentar ajudar tirou o tubo da buceta e massageando o clitóris começou a falar: "Vem, Juca! Come essa bucetinha. Eu toda linda e gostosa aqui louca pra ser fodida por esse seu pau maravilhoso. Vem, seu safado, tô toda aberta aqui". Eu fiquei espantado e quieto pra ver até onde isso ia dar. O pau de Juca se ergueu em questão de segundos. Tinha mais veias que das outras vezes, acho que estava com bastante tesão. E sem falar nada ele subiu na cama e ficou posicionado entre as pernas dela. Ela massageava o clitóris dela e ele se masturbava em cima dela, ainda sem contato algum. Ele falou para Carol: "Vou ficar aqui me masturbando e você continua falando essas coisas safadas e quando eu for gozar te aviso, aí você coloca o tubo para eu gozar dentro de você". Ela concordou e para ajudar ainda mais, tirou as calças e ainda se massageando começou a falar: "Vai gostoso, mete essa pirocona nessa buceta que é só sua. Não tem coragem de me comer? Vai mete, mete. Seu primo não liga, vai me come". Minha esposa ainda estava sem o tubo, quando, sem avisar, ele, cheio de tesão, posiciona a cabeça de seu pau na entrada da buceta de Carol e enfia tudo de uma só vez. Eu sem reação e cheio de tesão olhando minha mulher sendo fudida por outro. Carol solta um gemido alto de tesão e ele então começa a comê-la com força. Carol morde os lábios e tira totalmente a roupa e o sutiã. Seu peitinho firme e apontado de tesão se chacoalhando nos movimentos de Juca em sua buceta. Ele abocanha e começa a passar a mão por todo seu corpo. Ele anunciou que iria gozar, então Carol entrelaçou as pernas dela atrás dele e com suas mãos suadas puxou ele contra seu corpo. Os dois gozaram durante longos segundos. Então ele desabou em cima dela.






Os dois estavam extasiados e se recuperando do cansaso daquele sexo intenso. Depois de se recuperarem, começaram a se arrumar sem falar nada. Minha esposa olhou pra mim com aquele olhar de pena, mas ao mesmo tempo com aquele olhar de confiante, e disse: "Acho que agora vai dar certo né, amor?". Eu disse: "Pois é, se não der certo iremos adotar uma criança". Os dois riram e Juca falou: "Foi mal primo, mas a Carol me tirou do sério. Tive que penetrá-la naquele momento". Eu falei: "Tudo bem, agora já era, na hora do tesão acho que eu faria o mesmo. Mas vamos manter isso em segredo". Todos concordaram. Depois que ele foi embora, tive que descarregar todo meu tesão na Carol. Ela já estava sem vontade, pois tinha gastado todo o seu tesão com o Juca. Mas eu insisti e ela cedeu. Enquanto eu a comia perguntei se ela tinha gostado de dar a buceta pra outro. Ela desconversava e dizia que foi só pela inseminação, nada mais. E eu dizia que ela parecia estar gostando quando Juca a penetrava. De tanto eu insistir e falou no meu ouvido: "Quer saber? Gostei sim. Aquela tora enorme entrando em mim me deu muito tesão." Ouvindo aquilo não aguentei, então comecei a gozar. Meu sêmen se misturou com o de Juca. Fiz ela chupar meu pau e perguntei se ela tava gostando do gosto do Juca. Ela adorou!






Passado algum tempo, minha esposa estava grávida. E nove meses depois nasceu nosso filho. Anos mais tarde fiz um exame de DNA e o filho era meu, não de Juca. Fiquei super feliz, mas me sentindo mal porque não precisava ter passado por aquele episódio. No fim, minha esposa deu pra outro de pica maior que a minha e eu não era estéril.

137 casal Fogoso Bruno

137

Casal iniciante veio passear nos entornos de Itaquera zona leste de sp afim de encontro e me ligou, então fomos ao prazer, segue fotos.

Faça igual a eles entre em contato 11-96614+0572 ou fogosobruno@gmail.com